sexta-feira, 25 de junho de 2010

Canto de Nudez

.
.
Dá-me tua nudez,
Tua nudez úmida
Outorgada em pêlos e dobras,
Nas dobras desfeitas
De dez e mil lençóis

Dá-me tua nudez,
Tua nudez traçada,
Declarada em gotas e curvas,
Nas vidas desfeitas
Por uma ou tantas canções.

Dá-me tua nudez,
Tua nudez rasgada,
Marcada em veias e carnes,
Nos pactos esquecidos
De todas e outras juras.

Dá-me tua nudez,
Tua nudez faminta,
Destrancada de almas e corpos,
Nos sonhos destruídos
De meus e teus desejos.

Paulo Mont'Alverne

.

2 comentários:

Me permita disse...

Oi, minha querida! Agradeço pelas palavras gentis! Sabe, teu blog sempre é uma fonte de inspiração para mim... A nudez é o templo sagrado do amor e do desejo!

"E para escrever
a gente
se ajeita
em letras despidas...

...uma confissão
de pecados
absolvidos em poemas
que moram
dentro
do sacrário
da nossa alma".

Abraço e bom domingo!

Nath disse...

Entre as muitas dobras de muitos blogs... entre muitas peles de palavras... encontrei esse espaço.
Obrigada por existir.
Beijos.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails